Hiato – o design para experiência por uma sociedade mais afetiva

1754

O projeto Hiato visa refletir sobre a velocidade, o fluxo e as experiências fragmentadas do contemporâneo propiciadas pela evolução digital. Tal fragmentação está levando a um interessante paradoxo: apesar da possibilidade de acesso a uma quantidade inesgotável de informações, estamos atingindo uma situação em que nos vemos impossibilitados de internalizá-las e incorporá-las ao nosso acervo de conhecimentos. O fluxo interminável de solicitações ao nosso redor não tem permitido a nossos cérebros efetuar a internalização das informações de forma que as esquecemos antes que cheguem a ser consolidadas na memória e posteriormente incorporadas ao nosso conhecimento.

O projeto consiste em uma instalação interativa que propõe uma reflexão a cerca do bombardeio informacional e o fluxo frenético de inputs que nos rodeia; Ressalta- se a necessidade de uma pausa para dar-se o tempo do desfrute de uma experiência, valorizando sua plenitude e integralidade.

A instalação consiste em um ambiente semicircular que utiliza o movimento do interator como metáfora para o que acontece em seu dia a dia: estamos cercados, atraindo e sendo atraídos por um número cada vez maior de informações e solicitações dos aparatos tecnológicos, ao mesmo tempo em que a velocidade do cotidiano e nosso constante movimento dificulta o processo de filtrar e captar de forma não superficial aquilo que chega até nós.

A dinâmica de interação pode ser dividida em dois momentos: o interator funciona como um imã que, enquanto em movimento, atrai um fluxo de inúmeras partículas e quando para, dispersa a massa informacional filtrando apenas um elemento para sua apreciação.

Autores: Pagu Senna de Moura  e Adenauer Neves Figueiredo

Orientador: Prof. Dr. Fernando Luiz Fogliano

[su_slider source=”media: 3218,3219,3220,3221,3222,3223,3224,3225,3226,3227,3228,3229,3230,3231,3232,3233,3217″ width=”400″ height=”200″ title=”no” autoplay=”4000″]